Últimas de Cotidiano
  • Há 1 Hora Após acidente, homem tenta subornar PM oferecendo um carneiro
  • Há 1 Hora Preso recebe alvará de soltura, mas se recusa a ir embora
  • Há 1 Hora Polícia Ambiental apreende 16 filhotes de papagaio
  • Há 6 Horas Temer diz que PMDB deverá ter candidato para 2018
  • Há 9 Horas Nestlè e Garoto vão parar de produzir Serenata de Amor, Chokito e Sensação
  • Há 9 Horas Cabral é condenado no Rio a 45 anos e dois meses de prisão por três crimes
  • Há 9 Horas Tarifa branca divide opiniões entre distribuidoras de energia
  • Há 9 Horas Grande incêndio florestal atinge Quedas do Iguaçu
  • Mariana Lioto
  • Assessoria

13 Setembro 2017 | 18h16min

O servidor público Eduardo José dos Santos (na foto, de camiseta branca), de 37 anos, foi preso suspeito de matar a sogra e, quase um ano depois, o cunhado, em Goiás. O homem nega os crimes, mas o comparsa dele, Jhony Vinicius Dias (camiseta cinza), de 24 anos, que também foi detido, confessou e detalhou como eles ocorreram. Ambos foram apresentados ontem (12) na Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH).

Segundo o delegado Marco Aurélio Euzébio, responsável pelas investigações, o motivo das mortes era manter o relacionamento com a adolescente, que atualmente tem 16 anos. O primeiro homicídio aconteceu em 29 de agosto de 2016, no setor Vale dos Sonhos, em Goiânia. Patrícia Silva do Nascimento, de 35 anos, foi morta a pauladas por dois homens quando se preparava para dormir. Ela estava sozinha em casa.

Santos namorava a filha da vítima desde que ela tinha 13 anos. De acordo com a investigação, o servidor foi denunciado por estupro de vulnerável e, sabendo disso, Patrícia o chantageava dizendo que ia entregá-lo para a polícia. Após a morte da mãe, sem saber da participação do namorado no crime, a adolescente passou a morar com o namorado em Santa Cruz de Goiás.

Irmão da adolescente e filho de Patrícia, Wagner Nascimento passou a acusar o cunhado de ter matado a mãe dele. No último dia 23 de junho, segundo a investigação, Santos e Dias o mataram com golpes de capacete. Logo após a morte de Wagner, os dois foram presos pelo homicídio em Santa Cruz de Goiás. A polícia, então, associou os crimes, e Dias confessou a morte de Patrícia.

Carregar mais notas ao vivo
1 comentário
Mostrar Mais
Envie seu comentário