Últimas de Cotidiano
  • Há 14 Minutos Meninos fazem crochê durante o recreio em escola
  • Há 25 Minutos Investimentos em aeroportos regionais chegam a R$ 38 milhões
  • Há 26 Minutos Região Oeste sediará maior evento de turismo termal do mundo no ano que vem
  • Há 36 Minutos Ônibus é incendiado em acampamento
  • Há 1 Hora Família é rendida e amarrada enquanto jantava
  • Há 1 Hora Advogado Mariz deixa a defesa de Temer
  • Há 1 Hora CFP recorre de decisão que libera psicólogos a oferecer reorientação sexual
  • Há 3 Horas Terapeuta preso na Rússia com chá alucinógeno cumprirá pena no Brasil
  • Fábio Wronski
  • UOL

13 Setembro 2017 | 15h36min

O corretor Lúcio Funaro disse em sua delação premiada que, na época do impeachment, o então vice-presidente Michel Temer tramava "diariamente" a deposição da ex-presidente da República Dilma Rousseff com o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

A afirmação consta de um dos anexos da colaboração de Funaro, já homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), na qual ele descreve a relação com a cúpula do PMDB e nomeia os "operadores" de Temer em supostos esquemas de corrupção.

Conforme Funaro, Cunha sempre foi o arrecadador de propinas para o chamado "quadrilhão" do PMDB, enquanto Temer atuava no núcleo político, viabilizando interesses de empresas que pagavam subornos ao grupo.

Funaro afirmou que a relação de Cunha e Temer oscilava, dependendo do "momento político". "Na época do impeachment de Dilma Rousseff, eles confabulavam diariamente, tramando a aprovação do impeachment e, consequentemente, a assunção de Temer como presidente", exemplificou o corretor num dos trechos do anexo.

Temer e seu partido romperam com Dilma meses antes de o afastamento dela ser aprovado e confirmado, mas o agora presidente sempre rejeitou a pecha de "conspirador" ou "golpista".

Procurado, o Palácio do Planalto ainda não comentou as declarações de Funaro.

A defesa de Eduardo Cunha se manifestou da seguinte forma: "Enquanto não for levantado o sigilo, a defesa de Eduardo Cunha não comentará os supostos termos de delação."

Carregar mais notas ao vivo
Envie seu comentário