Últimas de Entretenimento
  • Há 33 Horas Fábio Assunção elogia Pabllo Vittar: 'Sua figura é a voz de muita gente sufocada'
  • Há 33 Horas Anitta diz que Fergie a convidou para show no Rock in Rio
  • Há 33 Horas 'Ainda sem acreditar', diz Pabllo Vittar após show no Rock in Rio
  • Há 33 Horas Além de Lady Gaga, veja outros artistas que já cancelaram shows no Brasil
  • Há 63 Horas Linkin Park anuncia show em homenagem a Chester Bennington
  • Há 63 Horas Filme de Angelina Jolie é escolhido para representar o Camboja no Oscar
  • Há 63 Horas 'Temos vivências diferentes', diz Daphne Bozaski, de 'Malhação', sobre namorado dez anos mais velho
  • Há 63 Horas 'A culpa é maior do que eu imaginava', diz Rafa Brites sobre voltar ao trabalho após maternidade
  • Redação CGN
  • CGN

10 Setembro 2017 | 20h23min

Se o Festival de Toronto é a vitrine do Oscar, a largada para a premiação do ano que vem foi dada com duas sátiras sociais protagonizadas por Matt Damon: "Suburbicon", dirigida por George Clooney, e "Pequena Grande Vida", de Alexander Payne (de "Nebraska" e "Os Descendentes").

No primeiro, Clooney se ancora em roteiro escrito pelos irmãos Coen sobre um típico subúrbio de famílias brancas dos anos 1950 em que tudo vai bem. Isso até a chegada de uma família negra, que coincide com uma sucessão de infortúnios para os moradores.

Tangenciando questões como racismo e segregação, "Suburbicon" é um claro recado sobre a América atual dado por um diretor que é um notório crítico a Donald Trump.

Já o longa de Payne pega emprestada a premissa da comédia "Querida, Encolhi as Crianças", mas a reveste com forte caráter político: Damon interpreta Paul, fisioterapeuta que se submete a um novo tipo de avanço tecnológico que permite diminuir o tamanho das pessoas e assim permitir que elas consumam menos recursos do planeta.

Há claras vantagens em passar pela miniaturização, como o personagem de Damon logo descobre - ele custa menos e pode viver uma vida luxuosa. Mas a tecnologia logo desdobra implicações graves: o governo americano passa a ser assolado por terroristas em miniatura, ditadores africanos optam por reduzir minorias étnicas.

Duas vezes vencedor do Oscar, Payne diz que queria explorar a premissa de um mundo em miniatura, "mas de forma realista e com um contexto político".

Damon vê semelhanças no fato de protagonizar duas sátiras com carga social. "Filmes são uma forma tecnológica de contar uma história", afirmou o ator. "E eu espero que essa tecnologia seja sempre usada para trazer mais empatia, apesar do momento político pelo qual passa o meu país."

Outro candidato a dar as caras no Oscar é o drama agrário "Three Billboards Outside Ebbing, Missouri", que pode render uma indicação para a atriz Frances McDormand.

Ela vive uma mãe que entra em conflito com as autoridades após falharem em investigar o assassinato de sua filha. Com mensagens em outdoors na beira da estrada, ela pretende humilhar o xerife local.

O violento drama encontra ressonância no momento atual: o descrédito às instituições da personagem de McDormand ecoa o ressentimento de boa parte dos americanos.

No filme mais macabro de sua carreira, Darren Aronofsky ("Cisne Negro"), decepcionou com "Mãe!".

Aqui, Jennifer Lawrence vive a jovem mulher de um escritor narcisista (Javier Bardem) que é atormentada pela chegada inesperada de visitantes desconhecidos. As situações absurdas sobem de tom, numa espiral surreal que muitas vezes descamba no humor involuntário.

Em Toronto, a sessão para a imprensa do longa terminou com um enorme silêncio e uma única e tímida palma.

Carregar mais notas ao vivo
Envie seu comentário