Últimas de Cascavel
  • Há 24 Minutos Carros batem na Rua General Osório
  • Há 38 Minutos Grave acidente mobiliza equipes de socorro
  • Há 47 Minutos PM é chamada na Rua Adoniram Barbosa
  • Há 51 Minutos Motociclista perde o controle e atinge lixeira na Rua Maranhão
  • Há 57 Minutos PM é mobilizada no Parque São Paulo
  • Há 2 Horas Riviera: lista do sorteio é divulgada
  • Há 2 Horas Com 4 mil páginas, relatório final da CPI das Fossas é protocolado
  • Há 2 Horas Briga de família termina na delegacia
  • Mariana Lioto
  • CGN

07 Agosto 2017 | 15h41min

A equipe da Capital Administradora Judicial, que fará a acompanhamento da ação dos devedores do grupo Diplomata, já está em Cascavel. Na última sexta-feira (4), a 1ª Vara Cível de Cascavel determinou o afastamento dos devedores da gestão do grupo.

O afastamento se dará a partir da assembleia a ser realizada em setembro e até lá, todas as ações de Alfredo Kaefer e Clarice Roman precisarão do aval da Administradora Judicial.

Segundo a assessoria da Capital o trabalho deve iniciar nas próximas 48 horas e durará até que o novo gestor seja escolhido em assembleia.

O juízo considerou, com aval do Ministério Público, que manter os antigos gestores na administração das empresas durante o processo de recuperação poderia gerar novas fraudes, prejudicando o pagamento das dívidas.

“É inegável que existem fortíssimos indícios de que mantidos a frente do negócio, os requeridos continuem a praticar fraudes e a dilapidar patrimônio”, diz a decisão.

Na decisão do afastamento, o juiz Pedro Ivo Lins Moreira afirma que os devedores não poderão contrair novos empréstimos, realizar pagamentos, movimentar caixa e contas bancárias, promover transações de valores, dispor sobre bens ou assinar novos contratos sem a anuência do administrador judicial.

A equipe deverá inclusive comparecer aos bancos onde as empresas têm suas contas para informar a gerência sobre a decisão.

Durante o período de transição, os requeridos também devem franquear qualquer tipo de fiscalização e acesso a informação, documentos e registros contábeis, isto é, qualquer tipo de providência que o administrador judicial entenda justo e conveniente para o bom e fiel cumprimento da lei.

Está autorizado, inclusive, o uso de força policial se necessário.

A família Kaefer havia retomado a administração das empresas no dia 20 de junho, depois de uma decisão do STJ que anulou a falência do grupo Diplomata. Ainda este mês eles precisam apresentar um plano de como pagarão a dívida com os credores, que se arrasta pelo menos desde 2012. 

Carregar mais notas ao vivo
5 comentários
Mostrar Mais
Envie seu comentário