Últimas de Cascavel
  • Há 1 Hora Arrombamento é registrado em tabacaria na Rua Europa
  • Há 2 Horas Três invadem casa e um é 'pego a unha' pelos moradores
  • Há 5 Horas Lentidão na consulta médica é alvo de reclamações
  • Há 6 Horas PM recupera veículo que foi furtado no Esmeralda
  • Há 7 Horas Briga de casal mobiliza PM no Floresta
  • Há 8 Horas PM e Samu são mobilizados no Bairro Santa Felicidade
  • Há 8 Horas Carga de cigarros é encaminhada à Receita Federal
  • Há 9 Horas Homem é agredido por moradores no Residencial Jaborá
  • Mariana Lioto
  • Assessoria

17 Julho 2017 | 17h35min

A frente fria que derrubou a temperatura e trouxe neblina e chuva também para Cascavel está afetando os trabalhos dos agentes de Endemias que começaram nesta manhã (17) as visitas referentes ao 3º ciclo do LirAa. O Levantamento Rápido do Índice de Infestação pelo Aedes Aegypti foi programado pela Secretaria de Saúde, por meio do Setor de Controle de Endemias, para começar hoje e terminar na quarta-feira (19). Contudo, ele pode ser prorrogado até o fim da semana ou, caso a chuva persista, seja cancelado. A decisão será tomada apenas nesta terça-feira (18).

Segundo a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Beatriz Tambosi, como no início da manhã de hoje não estava chovendo, foi possível enviar os agentes de endemias para as ruas e iniciar os trabalhos. Várias equipes conseguiram fazer coletas em alguns estratos. Outras foram impedidas devido à forte neblina em alguns bairros. Os trabalhos foram interrompidos agora à tarde.

"Caso amanhã [terça, dia 18], seja possível fazer o mínimo de 20 a 30 coletas, iremos manter o LirAa e ir prorrogando até sábado. Contudo, se não for possível fazer o mínimo, cancelaremos esta semana e faremos na próxima", detalha Beatriz.

O LirAa apresenta de maneira rápida e segura os índices de infestação larvários do mosquito. Neste terceiro ciclo serão inspecionados pelo menos 4.291 imóveis, definidos em sorteio, de acordo com a densidade populacional.

Durante os dias do LirAa, agentes de Endemias realizam técnica de pesquisa larvária, que consiste na coleta de larvas em 100% dos depósitos encontrados em cada domicílio. Isso permite, além de quantificar as amostras, identificar os tipos de criadouros e a prevalência de criadouros em cada estrato.

Esta atividade, segundo Beatriz, é fundamental para atualização do índice de infestação por Aedes aegypti no Município. A partir deles a Secretaria de Saúde, por meio do Setor de Controle de Endemias programa ações intersetoriais e ações de tratamento necessárias nas áreas de maior risco. 

"O setor de Controle de Endemias conta com a colaboração da população para receber os agentes de Endemias e, assim, permitir a realização da atividade", recomenda Beatriz.

Carregar mais notas ao vivo
5 comentários
Mostrar Mais
Envie seu comentário