Últimas de Cascavel
  • Há 25 Minutos Carros batem na Rua General Osório
  • Há 40 Minutos Grave acidente mobiliza equipes de socorro
  • Há 48 Minutos PM é chamada na Rua Adoniram Barbosa
  • Há 53 Minutos Motociclista perde o controle e atinge lixeira na Rua Maranhão
  • Há 59 Minutos PM é mobilizada no Parque São Paulo
  • Há 2 Horas Riviera: lista do sorteio é divulgada
  • Há 2 Horas Com 4 mil páginas, relatório final da CPI das Fossas é protocolado
  • Há 2 Horas Briga de família termina na delegacia
  • Mariana Lioto
  • CGN

30 Junho 2017 | 17h18min

A sentença publicada hoje (30), condenando o ex-vereador Paulo Bebber pelo crime de concussão não cita a devolução de recursos recebidos da Câmara no período que ficou afastado do mandato. Entre dezembro de 2014 e dezembro de 2016 foram pagos ao vereador afastado R$ 213.180.

As denúncias contra Bebber surgiram no começo do segundo ano do mandato do vereador. Ele chegou a ficar afastado por decisão do então presidente, Marcio Pacheco, por 59 dias. A defesa de Bebber conseguiu então uma decisão para que ele voltasse ao cargo. Ele ficou na função até ser preso e depois da prisão o juiz decidiu que ele continuasse afastado do mandato, mas recebendo o salário como vereador.

Além da pena de 2 anos e 11 meses, que pode ser convertida em trabalho comunitário, o juiz determinou pagamento de 35 "dias-multa".

O valor de cada dia multa foi fixado em um terço do salário mínimo. Assim, o valor devido por Bebber é de pouco menos de R$ 11 mil, o que equivale a pouco mais de um mês do salário como vereador na época.

A Câmara de Vereadores aguarda notificação da sentença para verificar se alguma ação é cabível, mas destaca que seguiu a determinação judicial.

Bebber foi condenado pela 3ª Vara Criminal por um pedido de propina que foi registrado em uma gravação. No áudio ele aparece pedindo 500 paus (R$ 500 mil) para a articular a aprovação de um loteamento de casas populares.

Outros nomes

Na Câmara, o ex-vereador foi inocentado pelos colegas. Na sentença o magistrado considerou que Bebber não agia sozinho, “encabeçava um grupo de vereadores com interesses escusos”.

“Isso fica evidente quando, na gravação, afirma: ‘eu pedi quinhentos paus pra acertar com todo mundo [...] não entrando, todo mundo vai se reunir aí, vai dizer: ‘olha, isso não presta pra Cascavel’”, diz a sentença.

A denúncia, no entanto, não alcançou quem seriam estes outros nomes e nenhum outro vereador foi réu no processo. A Câmara de Vereadores preferiu não se manifestar sobre este fato. O Ministério Público, por sua vez, disse que aguardará a notificação formal sobre a sentença para decidir se irá recorrer.

Carregar mais notas ao vivo
14 comentários
Mostrar Mais
Envie seu comentário