Últimas de Cotidiano
  • Há 2 Horas Uma pessoa se fere em colisão entre Golf e Yamaha R3
  • Há 3 Horas 'Se vagabundo tentar tomar minha arma, vou meter bala', ameaça filho de Bolsonaro
  • Há 5 Horas Bolsonaro é atingido por ovo em cafeteria de Ribeirão Preto
  • Há 6 Horas Ao fugir da polícia, condutor de Golf atropela pedestre
  • Há 6 Horas Brasileiro que presenciou ataque critica polícia de Barcelona
  • Há 6 Horas Homem dirige até hospital com prego cravado no coração
  • Há 6 Horas Caminhão furtado é recuperado em Guaíra
  • Há 7 Horas Adolescente morre em acidente entre carro e moto
  • Fábio Wronski
  • UOL

19 Junho 2017 | 21h10min

Enquanto os caciques do PSDB atuam para manter o partido na base do governo Michel Temer, a juventude tucana (J-PSDB) levantou a bandeira do rompimento com o Palácio do Planalto no 55.º Congresso da União Nacional dos Estudantes (CONUNE), que terminou no domingo, 18, em Belo Horizonte. Pela primeira vez em dez anos, a J-PSDB levou para Minas Gerais uma bancada de 148 delegados, o suficiente para garantir pelo menos uma vaga na diretoria da entidade.

Além do "fora, Temer", os tucanos defendem a realização de eleições diretas para presidente por meio da aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) e o afastamento definitivo do senador Aécio Neves da presidência do PSDB.

"Estávamos em Belo Horizonte quando o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso falou em eleições diretas. Não é um problemas para nós, desde que seja respeitada a Constituição", disse à reportagem o estudante de direito Henrique do Vale, de 24 anos, presidente da Juventude Tucana.

"Defendemos sem dúvida o 'fora, Temer', a entrega dos cargos do PSDB no governo e avaliamos que Aécio não tem condições morais de continuar na presidência do partido", afirmou Vale, que é paranaense ligado ao governador Beto Richa (PSDB-PR).

Os tucanos dizem que foram atacados com cadeiras e alvo de hostilidades por parte de grupos adversários no CONUNE quando chegaram à plenária do evento cantando palavras de ordens que exaltavam Mário Covas, governador de São Paulo entre 1995 e 2001, e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Eleição

Durante o encontro, a estudante de Pedagogia Marianna Dias, de 25 anos, filiada ao PCdoB, foi eleita presidente da UNE e assegurou a hegemonia na entidade de três décadas do partido. Sua chapa obteve 3.788 votos, o que equivale a 79% dos 4.795 votos depositados nas urnas. Denominada Frente Brasil Popular - A unidade é a bandeira da esperança, a chapa reuniu 10 grupos políticos dos 26 que participaram do congresso: União da Juventude Socialista (UJS), ligada ao PCdoB; Levante Popular da Juventude; movimento "Novo Rumo"; juventude do PSB; juventude do PDT, e as correntes petistas Democracia Socialista (DS), Construindo um Novo Brasil (CNB), Esquerda Popular Socialista (EPS), Mudança e Trabalho.

"Nosso maior desafio é construir a unidade na luta popular no campo democrático e popular e construir a greve geral do dia 30 de junho", disse Marianna.

Na sexta-feira, 16, a UNE liderou em Belo Horizonte um ato pelas diretas já na Praça da Estação com 40 mil pessoas, segundo os organizadores. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não compareceu dessa vez, mas passaram pelo CONUNE o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE), o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT-SP), o ex-embaixador Celso Amorim, Guilherme Boulos e a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Com informações UOL.

Carregar mais notas ao vivo
Envie seu comentário