Últimas de Cotidiano
  • Há 25 Minutos Pai faz alerta após choro da filha ajudar a detectar doença grave
  • Há 27 Minutos Ladrão tem surpresa ao tentar roubar carro com casal fazendo sexo dentro
  • Há 2 Horas Vídeo flagra pai abandonando recém-nascido em estacionamento de shopping
  • Há 2 Horas Homem é preso após ter cocaína roubada e chamar a polícia
  • Há 2 Horas Avô é preso por abusar da neta com autismo
  • Há 2 Horas Professora é suspensa após dar 'estrela' sem roupas de baixo na frente de alunos
  • Há 2 Horas Brinquedo desaba e fere 11 em parque de diversões
  • Há 2 Horas Vizinho encontra homem morto embaixo de chuveiro
  • Fábio Wronski
  • UOL

19 Maio 2017 | 18h58min

O cantor e produtor Kid Vinil morreu no início da tarde desta sexta-feira (19), aos 62 anos, em São Paulo.

 Kid estava em coma induzido desde o dia 15 de abril, quando passou mal em Conselheiro Lafaiate (MG). Ele era uma das atrações da Festa Retrô e tinha acabado de se apresentar quando sentiu fraqueza. Ele foi atendido no local e transferido para um hospital da região, onde foi diagnosticado com um edema.
 Em estado grave, Kid foi transferido três dias depois para o Hospital da Luz, na Vila Mariana, em São Paulo, graças a uma campanha entre amigos e artistas para arcar com o traslado. No início do dia, a família do cantor informou que ela estava passando pelos "momentos mais crítico de sua recuperação": "Entendemos que agora é o momento dele com Deus".

O "boy" do rock nacional

Nome importante na construção do rock nacional, Antônio Carlos Senefonte, nome de batismo de Kid Vinil, iniciou a carreira com o grupo Verminose, um dos pioneiros do pós-punk no Brasil, que mais tarde mudaria de nome para Magazine.
 Com a pegada mais pop e um tom de crônica juvenil, a banda logo conquistou sucesso nacional com "Sou Boy" e "Tic-Tic Nervoso". Com o alcance, emplacou a versão de "Comeu", de Caetano Veloso, como tema de abertura da novela "A Gata Comeu", da TV Globo, em 1985.

Na TV, participou do programa “Boca Livre”, da TV Cultura, em 1987, e comandou “Som Pop”, na mesma emissora até 1993 – programas musicais seminais na época. A linguagem jovem e a fama de enciclopédia musical o levou a apresentar também “Mocidade Independente” na TV Bandeirantes, e programas na MTV.

Nos anos 2000, atuou também como diretor artístico da gravadora Trama e retomou as atividades do Magazine. Nos últimos anos, costumava viajar pelo Brasil com apresentações como DJ e com a banda Kid Vinil Xperience, além de apresentar o "Programa do Kid Vinil" na rádio 89 FM.
 Paulista de Cedral, Kid Vinil ganhou a biografia "Um Herói do Brasil", em 2015, escrita em parceria pelo jornalista Ricardo Gozzi e pelo músico Duca Belintani.

Nas redes sociais, artistas e amigos lamentaram a notícia: "Meu professor, descanse em paz", escreveu o cantor e apresentador João Gordo.

Com informações UOL.


Carregar mais notas ao vivo
Envie seu comentário