Últimas de Cotidiano
  • Há 18 Minutos Operação conjunta RF e PRF apreende dois caminhões de cigarros
  • Há 30 Minutos Caminhão de tijolos tomba e interdita rua em Curitiba
  • Há 2 Horas Jovem internada em hospital morre após monitor cardíaco cair na sua cabeça
  • Há 2 Horas Sob pressão, Temer recua e decide revogar extinção da Renca
  • Há 2 Horas Coreia do Norte acusa Trump de declarar guerra através da retórica
  • Há 2 Horas Detento esconde droga na boca e se dá mal
  • Há 3 Horas Mulher prende a perna em bueiro
  • Há 3 Horas Cantor sertanejo preso em operação contra falsificação de cigarros ganha liberdade
  • Fábio Wronski
  • Agência Brasil

18 Maio 2017 | 15h52min

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin decidiu abrir inquérito para investigar o presidente Michel Temer. A medida foi tomada a partir das delações premiadas dos empresários Joesley Batista e Wesley Batista, donos do grupo JBS, controlador do frigorífico Friboi. A previsão é de que o sigilo das delações seja retirado ainda hoje (18).

O conteúdo dos depoimentos envolvendo Temer foi antecipado ontem (17) pelo jornal O Globo. Segundo a reportagem, em encontro gravado em áudio pelo empresário Joesley Batista, Temer teria sugerido que se mantivesse pagamento de mesada ao ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro para que estes ficassem em silêncio. Cunha está preso em Curitiba.

A Casa Civil confirmou hoje (18) que o Palácio do Planalto solicitou ao STF a íntegra das gravações. Segundo assessores, o material solicitado servirá de base para o pronunciamento a ser feito pelo presidente da República.

A Presidência da República divulgou nota na noite de ontem (17) na qual informa que o presidente Michel Temer "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha", que está preso em Curitiba, na Operação Lava Jato.

Carregar mais notas ao vivo
Envie seu comentário