Últimas de Cotidiano
  • Há 5 Horas Grávida é encaminhada ao hospital após colisão
  • Há 7 Horas Estudante relata momentos de agonia com homem se masturbando
  • Há 7 Horas PM cumpre reintegração de posse em fazenda
  • Há 7 Horas Menor é apreendido após confessar ter matado vizinha: 'queria ver escola em luto'
  • Há 8 Horas Patrulha Rural apreende arma e munições
  • Há 8 Horas Mega Sena acumula e pode pagar R$ 37 milhões no sábado
  • Há 10 Horas PM apreende 180 pedras de crack em Francisco Beltrão
  • Há 10 Horas Vídeo: Comerciante reage a assalto e mata dois suspeitos
  • Fábio Wronski
  • UOL

21 Abril 2017 | 08h19min

 Os peritos da Aeronáutica concluíram que uma pane seca provocou o acidente com o avião que transportava os apresentadores Luciano Huck e Angélica, em maio de 2015. As informações foram divulgadas pelo "Jornal Nacional", da TV Globo, na noite desta quinta-feira (20).

De acordo com o relatório, o motor esquerdo da aeronave parou de funcionar com 35 minutos de voo. O documento concluiu que o tanque da asa esquerda tinha no máximo 160 litros de combustível e não 350 litros, conforme indicado no "liquidômetro", um equipamento que marca a quantidade do combustível. Os sensores foram instalados em posições trocadas e, assim, enviavam informações erradas ao painel de controle.

O laudo diz ainda que a tripulação poderia ter resolvido o problema --trazendo combustível do outro tanque, por exemplo--, mas que o piloto não seguiu os procedimentos de emergência para pane de motor e que ele não tinha treinamento para pilotar aquele avião.

No relatório, os peritos do Serviço Regional de Prevenção e Investigação de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) apontaram também uma outra falha grave: a empresa MS Táxi Aéreo, responsável por transportar os apresentadores da Globo, orientava os pilotos a não informar nem anotar no diário de bordo os problemas que aconteciam com os aviões, para não serem obrigados a parar as aeronaves em oficinas de manutenção. E quando o piloto se negava a voar justificando a falta de segurança, ele era trocado por outro piloto de empresa terceirizada.

O avião, modelo Embraer 820C, que transportava Luciano Huck, Angélica e os três filhos decolou de Estância Caiman, na cidade de Miranda, e seguia para Campo Grande (MS), em um trajeto de 230 quilômetros, quando sofreu uma falha. O piloto informou os controladores por volta das 11 horas. O avião fez um pouso de emergência em um pasto a 30 km de distância da capital do Mato Grosso do Sul.

Além da família Huck, estavam a bordo também duas babás, o piloto e o co-piloto. A família foi socorrida e encaminhada para o hospital Santa Casa de Campo Grande, onde recebeu atendimento no setor de ortopedia. Após passarem pelos exames, os apresentadores foram transferidos para o hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Piloto foi suspenso

Em entrevista à TV Record, em março do ano passado, o piloto Oscar Frattini explicou que, mesmo estando apto para voar, foi suspenso pela empresa MS Táxi Aéreo até que as investigações sobre o acidente fossem concluídas. Ele revelou ainda que teve o salário reduzido em quase 80%, e que passava por dificuldades financeiras, à base de empréstimos.

O piloto, que tem 30 anos de experiência, disse na ocasião que se sente "como um pássaro sem asa, preso ao chão, habilitado, mas sem poder voar".

Com informações UOL.

Carregar mais notas ao vivo
Envie seu comentário