Últimas de Cotidiano
  • Há 11 Minutos Réu da Lava Jato acusa PT e Haddad de calote de R$ 2,6 mi
  • Há 20 Minutos Grupo de elite da Polícia Civil recebe treinamento de polícia norte-americana
  • Há 31 Minutos Jovens consomem bebidas e lanches e saem sem pagar
  • Há 39 Minutos População reclama de atitudes sexuais de andarilhos no Centro
  • Há 39 Minutos BPFron recupera dois veículos após denúncia
  • Há 48 Minutos Morrem os dois baleados por policial à paisana
  • Há 1 Hora Transporte de órgãos dispara após FAB manter aeronave à disposição
  • Há 1 Hora Aeroporto Afonso Pena recebe ação contra o tráfico de pessoas
  • Fábio Wronski
  • Folha/UOL

20 Março 2017 | 22h43min

Os principais candidatos na eleição presidencial da França protagonizaram debate acalorado na TV, nesta segunda (20), em que o centrista Emmanuel Macron acusou a líder da extrema direita Marine Le Pen de mentir e tentar dividir os franceses.

O debate na TF1 foi o primeiro entre os cinco primeiros colocados nas pesquisas para as eleições de 23 de abril (primeiro turno) e 7 de maio, em que 40% dos franceses ainda se dizem indecisos. Le Pen e Macron despontam na intenção de voto.

Os pontos altos do debate foram as trocas de farpas entre os dois rivais, com Le Pen acusando Macron de ser favorável ao burquíni, o traje de banho usado geralmente por muçulmanas que foi alvo de polêmica na França.

"Você está mentindo, distorcendo a verdade", retrucou Macron, 39, que foi ministro da Economia do presidente François Hollande.

O debate também ficou tenso quando os candidatos foram questionados sobre migração e islamismo.

"Quero acabar com a imigração, legal ou ilegal. Isso é claro", disse Le Pen, citando a ascensão do fundamentalismo islâmico no país. Para ela, a situação de segurança na França era "explosiva".

Após a decisão do Reino Unido de deixar a comunidade europeia e da eleição de Donald Trump nos EUA, os mercados estão temerosos com a possibilidade de vitória de Le Pen, que promete tirar a França do euro e realizar plebiscito sobre a permanência no bloco continental.

"Eu não quero ser vice-chanceler de Angela Merkel", disse a francesa, que exibiu gráficos com os desempenhos na economia entre França e Alemanha após a adoção do euro como moeda.

As polêmicas em relação a François Fillon (caso da mulher contratada como assistente parlamentar), Le Pen (processos judiciais) e Macron (financiamento de campanha) tiveram pouco espaço no debate, que contou também com o esquerdista Jean-Luc Mélenchon e o socialista Benoît Hamon.

Com informações Folha/UOL.


Carregar mais notas ao vivo
Envie seu comentário