Últimas de Cotidiano
  • Há 7 Minutos Operação 'Sinal Fraco' apreende carne imprópria
  • Há 13 Minutos Baiana com barriga gigante recebe ajuda após divulgação de vídeo
  • Há 19 Minutos Funcionário de empresa de segurança morre em acidente na PR-473
  • Há 26 Minutos Temer lança programa e diz sonhar que ninguém mais viva de bolsa família
  • Há 57 Minutos Morador perde dinheiro ao cair no golpe do 'bilhete premiado'
  • Há 1 Hora Colisão entre carro e moto deixa moça ferida
  • Há 1 Hora Agricultor sofre acidente e passa dois dias na mata gravemente ferido
  • Há 1 Hora Moto fica presa em rodado de caminhão após acidente na PR-182
  • Mariana Lioto
  • Assessoria

16 Março 2017 | 10h45min

Um homem que perdeu os movimentos em um dedo da mão após ser picado por cobra ganhou na Justiça o direito de receber R$ 8 mil de indenização por danos morais e estéticos. A decisão, proferida nesta quarta-feira (15, é da 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

O incidente ocorreu em abril de 2012, no Arajara Park, localizado no Município de Barbalha, no Ceará. A relatora do processo foi a juíza convocada Marlúcia de Araújo Bezerra.

“Estando o empreendimento instalado em área de proteção ambiental, é de se esperar que haja a presença de animais silvestres no local, cabendo ao prestador do serviço adotar medidas preventivas para evitar incidentes como o que ora se nos apresenta”, explicou a magistrada.

Conforme os autos, a vítima, um representante comercial, foi passear no referido Park e, durante o percurso, foi mordido no dedo mínimo da mão esquerda por cobra da família das jararacas. Ele foi conduzido em veículo da empresa, acompanhado apenas por motorista para o hospital. Explicou que, por causa do veneno da cobra, sofreu necrose no dedo e perdeu o movimento dele.

Por isso, ajuizou ação requerendo reparação por danos morais e estéticos. Argumentou que a empresa nunca prestou nenhum auxílio no custeio do tratamento dele, nem lhe deu a devida atenção.

Na contestação, o Park sustentou ter prestado atendimento adequado à vítima. Disse ainda que o homem busca o Judiciário para se locupletar indevidamente e exigir indenização que não lhe é devida.

O Juízo da 2ª Vara Cível de Crato condenou o estabelecimento ao pagamento de indenização por danos morais e estéticos, no valor de R$ 8 mil. Requerendo a reforma da sentença, a empresa apelou no TJCE. Reiterou não ter culpa pelo ocorrido, uma vez que o acidente aconteceu fora dos limites do parque aquático.

Ao julgar o caso, o colegiado da 3ª Câmara de Direito Privado manteve a decisão de 1º Grau, acompanhado o voto da relatora. A magistrada destacou a responsabilidade do parque pelo ocorrido, tendo em vista constar nos autos prova testemunhal colhida durante a instrução processual, dando conta de que o incidente se deu nas dependências do parque.

Carregar mais notas ao vivo
Envie seu comentário