Últimas de Cascavel
  • Há 3 Horas PM detém trio com carro furtado e vários objetos
  • Há 3 Horas Disparo de alarme evita furto no São Cristóvão
  • Há 6 Horas GM apreende moto com motor adulterado
  • Há 7 Horas Siate atende homem ferido na Rua Itália
  • Há 7 Horas Câmera flagra carro batendo e derrubando sinaleiro no Centro
  • Há 7 Horas Princípio de incêndio mobiliza Corpo de Bombeiros ao Claudete
  • Há 8 Horas Jovem tenta passar a mão em menina e é agredido pelos irmãos da garota
  • Há 8 Horas Suspeita de arrombamento a lava car mobiliza PM
  • Mariana Lioto
  • CGN

14 Março 2017 | 18h31min

Representantes do Siprovel (Sindicato dos Professores Municipais de Cascavel) se reuniram hoje com o prefeito Leonaldo Paranhos e secretários para discutir a pauta de reivindicações da categoria. As prioridades foram definidas em assembleia em meados de fevereiro, encaminhadas ao prefeito e esta foi a primeira reunião para discussão. O objetivo é que haja um acordo até 1º de maio, data base para repasse do reajuste.

A pauta é composta de nove itens. O principal refere-se ao piso do magistério. De acordo com o Siprovel é preciso reajuste de 5% além da inflação para suprir perdas acumuladas de anos anteriores.

“Hoje o piso para o professor que trabalha 40 horas é de R$ 2.238. Cascavel paga R$ 2.048. Este é o principal pedido, mas gostaríamos de avançar em todas as reivindicações”, comenta Josiane Vendrame, que faz parte da diretoria do sindicato.

Entre os pedidos estão auxílio transporte, plano de saúde (mesmo que semelhante aos empresariais, com participação) e garantia de dois professores na Educação Infantil em cada sala de aula.

Paranhos reafirmou seu compromisso e prometeu diálogo “sem enrolação”

"A educação é prioridade e estamos fazendo do esforço, aliás até além das nossas condições, para devolver à educação o respeito que ela merece, o que obrigatoriamente, inclui a valorização dos professores", disse o prefeito que afirmou aos representantes do Siprovel que "é meu compromisso manter esse diálogo franco, transparente e sem enrolação".

O prefeito disse também que entre os compromissos que "assumiu publicamente" está a regularização do piso do magistério. Atualmente, dos cerca de 3 mil professores que atuam na rede, de acordo com dados da folha de fevereiro, 191 professores da rede não recebem o piso e têm o valor complementado através de abono salarial.

"É meu compromisso resolver esse problema dentro de um planejamento e da reorganização do conjunto da administração. Precisamos ser responsáveis e resolver um problema sem criar outro", pontuou o prefeito.

Amilton Benedito Peletti, professor municipal e presidente do Siprovel, disse que o objetivo da reunião de hoje com o prefeito Leonaldo Paranhos foi o de avançar na discussão da pauta apresentada pelo sindicato no dia 15 de fevereiro com vários itens sendo o principal ponto o piso nacional dos professores.

"Foi uma primeira reunião. Ainda estamos discutindo e solicitamos que até o final do mês a Prefeitura nos apresente uma proposta viável para estar colocando em dia o piso nacional dos professores", destacou.

Veja a pauta completa do Siprovel:

- Repasse do índice de reajuste do Piso Salarial Profissional Nacional do ano de 2017 de 7,64% a todos os profissionais do magistério, retroativo a 01.01.2017; mais 5% de perdas acumuladas com o não repasse do índice de reajuste do Piso Salarial Profissional Nacional desde janeiro de 2015 e 2016, conforme prevê a Lei Federal nº 11.738/2008 e Lei Municipal nº 6.445/2014, a fim de que nenhum profissional do magistério perceba vencimento inferior ao piso salarial profissional nacional;

- Reposição da inflação acumulada no período revisional dos últimos 12 meses (01.05.2016 a 30.04.2017) apurada pelo INPC;

- Revisão na proporção de 0,7% nas tabelas C e G (Anexo III da Lei 6.445/2014) na progressão horizontal;

- Adicional de 10% (dez por cento) para os profissionais do magistério que atingirem a referência 26 da tabela de vencimentos C, da Lei 6.445/2014;

- Remuneração mensal aos PS (Período Suplementar) em valor correspondente ao vencimento base em que o Professor se encontra na carreira;

- Adicional de Jornada Integral de Trabalho na proporção de 5% (cinco por cento) sobre o vencimento a todos os Professores de Educação Infantil;

- Concessão do Auxílio Transporte, a ser pago em pecúnia para todos profissionais do magistério;

- Plano de saúde para todos profissionais do magistério;

- Garantia de 2 (dois) Professores de Educação Infantil em cada sala de aula;

Carregar mais notas ao vivo
5 comentários
Mostrar Mais
Envie seu comentário