Últimas de Cotidiano
  • Há 26 Minutos Justiça determina que MST saia de fazenda de ex-presidente da CBF
  • Há 33 Minutos Polícia prende trio suspeito de aplicar golpe do bilhete premiado
  • Há 37 Minutos Moradora de rua sofre estupro coletivo
  • Há 38 Minutos Colisão deixa mulher ferida em Marechal Cândido Rondon
  • Há 41 Minutos CNJ analisa se desembargadora interferiu em soltura de filho
  • Há 41 Minutos 'Pente fino' na cadeia resulta na apreensão de celulares, drogas e objetos diversos
  • Há 1 Hora Governo do Paraná devolveu quase R$ 600 milhões a contribuintes
  • Há 1 Hora BPFron recupera carro antes do proprietário perceber furto
  • Redação CGN
  • UOL

16 Fevereiro 2017 | 18h20min

Um cachorro ficou de "vigília" durante mais de 32 horas na frente da emergência do Hospital Humanitária, em Limeira, São Paulo. Marronzinho, o cão, esperava a recuperação do morador de rua identificado como Alex, que teve problemas no sistema respiratório.

Os paramédicos contaram que o cachorro se desesperou ao ver o dono sendo resgatado pela equipe. Os profissionais deixaram, então, o animal subir na ambulância e acompanhar o dono, segundo relato feito por Jairo Xavier de Oliveira, de um dos médicos do hospital, em seu Facebook.

Desde então, Marronzinho permanecia na frente do Humanitária, recebendo "água, comida e carinho" durante a sua vigília, segundo funcionários da unidade. Durante a tarde, no entanto, veterinários ligados à Alpa (Associação Limeirense de Proteção aos Animais) estiveram no local para fazer uma avaliação sobre a saúde do animal e constataram que ele tinha muitas pulgas e carrapatos. Resolveram levar Marronzinho para um abrigo para oferecer tratamento e vacinas a ele, onde ficará até que Alex tenha alta.

Oliveira conta que o cachorro "tentou a todo momento entrar onde estava seu dono" quando Alex ainda era atendido na emergência da unidade e só parou quando percebeu que o morador de rua não estava mais no setor.

Alex foi transferido para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) onde permanece sob cuidados médicos. Segundo funcionários do hospital, ele enfrenta "problemas no pulmão". Eles não quiseram dar maiores detalhes sobre o estado de saúde do morador de rua.

Os funcionários do Humanitária espalharam cartazes pedindo para que funcionários, pacientes e acompanhantes não maltratassem o animal, pois "ele pertence a um paciente".

A história de Marrozinho foi divulgada pela Alpa (Associação Limeirense de Proteção aos Animais) que compartilhou um vídeo na sua página no Facebook sobre a "saga" do cachorro para acompanhar o seu dono e parabenizando a equipe do hospital pelos cuidados a ambos.

"Estamos torcendo para o breve reencontro do cãozinho com seu tutor", afirmou na postagem.

As informações são do UOL.

Carregar mais notas ao vivo
1 comentário
Mostrar Mais
Envie seu comentário