Últimas de Cotidiano
  • Há 11 Minutos Grupo de elite da Polícia Civil recebe treinamento de polícia norte-americana
  • Há 22 Minutos Jovens consomem bebidas e lanches e saem sem pagar
  • Há 29 Minutos População reclama de atitudes sexuais de andarilhos no Centro
  • Há 30 Minutos BPFron recupera dois veículos após denúncia
  • Há 39 Minutos Morrem os dois baleados por policial à paisana
  • Há 58 Minutos Transporte de órgãos dispara após FAB manter aeronave à disposição
  • Há 1 Hora Aeroporto Afonso Pena recebe ação contra o tráfico de pessoas
  • Há 3 Horas Casas são entregues a pequenos produtores do Sudoeste
  • Mariana Lioto
  • Assessoria

10 Janeiro 2017 | 11h00min

A empresa Hersheys do Brasil Ltda foi condenada a indenizar cliente que encontrou uma larva em barra de cereal, o caso foi julgado pela 4° Turma Recursal Cível.

A autora narrou que adquiriu uma barra de cereal da ré, e que após ter ingerido parte do produto, constatou a presença de uma larva laranja. Ressaltou que o caso lhe trouxe enjoo e extrema repulsa, e ainda afirmou que a embalagem estava intacta, e dentro do prazo de validade. Relatou também que tentou entrar em contato com a empresa, mas não obteve sucesso. Na Justiça, ingressou com pedido de indenização por danos morais.

A ré contestou, alegando que a autora não apresentou nota de aquisição do produto, e que o mal estar relatado pela autora não foi comprovado.

No 1° Grau, a empresa foi condenada a indenizar a autora no valor de R$ 2.500,00, a título de danos morais.

Decisão

A Juíza de Direito Gisele Anne Vieira De Azambuja, relatora do processo, ressaltou que o argumento da empresa, culpando o supermercado onde o produto foi vendido, é invalido, já que a embalagem se encontrava lacrada.

"O produto foi alienado já impróprio para o consumo, posto que consumido poucos dias após a aquisição. E incumbe à recorrente, como fabricante, não apenas certificar-se na produção a qualidade, mas, sobretudo com embalagem com vedação apropriada a  evitar a contaminação", afirmou a relatora.

A magistrada ainda ressaltou que a situação não gerou um simples embaraço, e sim, nojo e asco a consumidora do produto, o que justifica o dano moral.

A relatora manteve o valor da condenação imposta pelo julgamento no 1° Grau.

Carregar mais notas ao vivo
1 comentário
Mostrar Mais
Envie seu comentário