Últimas de Cascavel
  • Há 38 Minutos Briga entre casal termina na delegacia
  • Há 40 Minutos Após ser socorrido, homem agride GM
  • Há 3 Horas PM apreende maconha e detém homem que agrediu a ex
  • Há 3 Horas Choque detém quarteto com quase 9 kg de maconha
  • Há 3 Horas Desentendimento entre travestis termina na delegacia
  • Há 4 Horas Trio é detido com revólver, drogas e dinheiro
  • Há 5 Horas Após ameaça em área rural, mulher é detida pela PM
  • Há 6 Horas Incêndio em residência mobiliza Corpo de Bombeiros
  • Fábio Wronski
  • Bruna Bandeira da Luz/Gazeta do Paraná

23 Maio 2016 | 15h08min

Marcos Granzotto presenciou um atropelamento. Era 2015. A vítima atravessava a rua, sobre a faixa de pedestres. O semáforo sinalizava com luz vermelha. Ao se aproximar, com objetivo de ajudar a mulher, Marcos viu que ela era muito semelhante à sua mãe. Foi quando ele pensou: “Poderia ser minha mãe”. Este episódio despertou uma inquietação em Marcos, sem tamanho. Então começou a pesquisar na internet sobre os índices de acidentes de trânsito. Entre mortos, feridos e sequelas para toda a vida, ele concluiu que precisava fazer alguma coisa. Foi quando ele teve uma sacada incrível: criar algum mecanismo que recompensasse bons motoristas de trânsito. “Se mortes e lesões no trânsito são uma epidemia, precisamos de uma vacina para essa epidemia”, avaliou Marcos.

Em dezembro de 2015 ele passou a ideia para papel. Apresentou para os amigos Marcos Seki e Lucas Martins que abraçaram o projeto. E em janeiro eles já estavam com o Produto Viável Mínimo da startup “Bomo”. A ideia principal é devolver aos condutores que não tenham cometido infrações percentuais de suas compras em empresas conveniadas à startup. Funciona da seguinte forma: o condutor se cadastra como motorista no site soubomo.com; ao fazer a compra na loja conveniada, você solicita a recompensa; a loja valida a recompensa. Ao acumular R$30 você pode retirar este montante, desde que não tenha tido nenhuma infração naquele mês.

Na primeira versão, o condutor teria que informar o número da sua CNH no momento da compra, para que a empresa lançasse os dados no sistema. Entretanto, este processo poderia ser demorado, atrapalhando lojistas e consumidores. Por isso, o trio optou por registrar estas informações através de um aplicativo instalado no celular do condutor. Sendo assim, ao invés de informar o número da CNH ele apresenta o celular ao lojista, que através de uma senha cadastra os dados referentes à recompensa. Rápido, prático e seguro.

De acordo com Gronzotto, mais de 30 empresas já estão conveniadas a startup. Sendo que os percentuais de resgate podem chegar até 10%. Para saber quanto cada loja parceira destina à recompensa, basta acessar o site do Bomo e clicar sobre o estabelecimento no mapa. Quanto aos condutores, Granzotto relata que por dia uma média de 50 novos cadastros são efetuados. “Já temos mais de mil motoristas cadastrados”, contou. 

Carregar mais notas ao vivo
2 comentários
Mostrar Mais
Envie seu comentário