A pergunta chega soar estranha. Afinal, toda cidadão de bem trabalha de sol a sol preocupado em defender a sobrevivência digna de sua família. Isso faz dele um “bom cidadão”… Mas, se a oportunidade parece, adeus à honestidade, salvo, é claro, raros e heroicos exemplos… Por isso, é sempre bom ter cuidado com as bandeiras que se levanta, bem como com os discursos inflamados que “poluem” as redes sociais provocando alguns debates e ataques fogem aos limites da tolerância e coerência… Editorial publicado hoje na Gazeta do Paraná ajuda pensar sobre o assunto…

 

19597

Viva o Teori! Viva o Moro! Ou abaixo os dois?

 O Brasil e suas disparidades. Os debates estão cada vez mais acirrados e incoerentes nas redes sociais, fora delas, nas ruas e nas plenárias. O juiz Sérgio Moro é o novo herói nacional, mas o ministro Teori Zavascki é quem trouxe luz à ordem, mesmo que suas teses sejam sinônimos de antítese. E por aí vai. Há milhões de cientistas políticos, filósofos e analistas sociais que saíram do anonimato para o “estrelato” da internet que, agora, têm a solução para tudo, bem como tornaram-se juízes, advogados, sentenciados e executores de tudo e todos. Mas, pelas redes sociais circula um texto que merece a maior atenção. Mesmo sem uma assinatura, revela que o problema do Brasil não são golpistas, ditadores, grampos ou heróis “vermelhos”, “verde-amarelos” ou da “capa preta”, mas, sim os tais “oportunistas”. Se não, vejamos o que segue.

Quando você tem oportunidade de roubar R$ 0,50 (cinquenta centavos) tirando fotocópia pessoal na máquina Xerox do trabalho, você não perde a oportunidade. Quando você tem oportunidade de roubar R$ 5,00 (cinco reais) levando para casa a caneta da empresa, você não perde a oportunidade. Quando você tem a oportunidade de roubar R$ 25,00 (vinte e cinco reais) pegando uma nota mais alta na hora do almoço para a empresa reembolsar, você não perde a oportunidade. Quando você tem a oportunidade de roubar R$ 50,00 (cinquenta reais) de um artista comprando um DVD pirata, você não perde a oportunidade.

Quando você tem a oportunidade de roubar R$ 250,00 (duzentos e cinquenta) comprando uma antena desbloqueada que pega o sinal de satélite de todas as TV’s a cabo, você não perde a oportunidade. Quando você tem a oportunidade de roubar R$ 469,99 da Microsoft baixando um Windows crackeado num site ilegal, você não perde a oportunidade.
Quando você tem a oportunidade de roubar R$ 2.000,00 (dois mil) escondendo um defeito do seu carro na hora de vendê-lo enganando o comprador, você não perde a oportunidade.

E você não perde nenhuma oportunidade, devolve a carteira, mas fica com o dinheiro que tinha nela (independentemente do valor), sonega imposto de renda, dá endereço falso para adquirir benefícios que não tem direito. Ou ainda, ajunta uma “tropa” de gente, invade uma área rural ou urbana, imóvel vazio e construção inacabada e se declara “dono dela” por ser sem-terra, sem-teto, sem-emprego, sem-vergonha, etc, etc. etc…

Bom, se você trabalhasse no Governo, e caísse no seu colo a oportunidade de roubar R$ 1.000.000,00 (um milhão) com certeza, como você não perde uma oportunidade, iria aproveitar mais esta oportunidade. Tudo é uma questão de acesso e oportunidade.

O povo brasileiro precisa entender que o problema do Brasil não são só a “dúzia e meia” de políticos no poder lá em cima, pois eles, são apenas o reflexo dos quase 200 milhões de oportunistas aqui embaixo. Os políticos de hoje são os “oportunistas” de ontem.

Vai ser difícil limpar o Brasil…

Pelo contrário, a “República de Curitiba” é a esperança da República… Mas, março, definitivamente, é uma mês que causa “cala-frios”… Mas, contra esses cala-frios, a “República de Curitiba”, como disse o Lula em seu diálogo com Dilma (de alto nível, aliás), ainda é possível ter esperanças de que, no final, o bem sempre vence o mal, apesar das orquestrações que todos podem ver… Cada um faz sua leitura, levanta sua bandeira… O que não se pode zombar nunca, além de Deus, é da inteligência das pessoas… a sua, a minha…

Confira o editorial desta sexta-feira da Gazeta do Paraná e faça a sua leitura…

1006929-17032016_dsc7271

Quem venceu? Quem é que fez e faz palhaçada?

“Estamos assustados com março”

Em 1 de março de 1930, foram realizadas as eleições para presidente da República que deram a vitória ao candidato governista, que era o governador do estado de São Paulo, Júlio Prestes. Porém, ele não tomou posse, em virtude do golpe de estado desencadeado a 3 de outubro de 1930, e foi exilado. Getúlio Vargas assumiu a chefia do “Governo Provisório” em 3 de novembro de 1930, data que marca o fim da República Velha no Brasil. O Golpe de Estado no Brasil em 1964 designa o conjunto de eventos ocorridos em 31 de março de 1964 no Brasil, que culminaram, no dia 1º de abril de 1964, com um golpe militar que encerrou o governo do presidente democraticamente eleito João Goulart, também conhecido como Jango.

No dia 4 de março, o ex-presidente Lula foi alvo de uma condução coercitiva em nova etapa da Operação Lava Jato na investigação do “tríplex do Guarujá” e do “sítio de Atibaia”. No dia 9 de março, Lula foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo por ocultação de patrimônio (lavagem de dinheiro) também por conta do tríplex e do sítio. No dia 10 de março, o MP-SP pediu a prisão preventiva de Lula; em 14 de março a Justiça de São Paulo encaminha para Justiça Federal do Paraná (leia-se juiz Sergio Moro) a decisão sobre o pedido de prisão preventiva do ex-presidente. No dia 15 de março, crescem as especulações sobre a nomeação de Lula para a Secretaria de Governo, o que garantiria ao ex-presidente o status de ministro; em 16 março Lula é confirmado ministro-chefe da Casa Civil do Governo Dilma, mesmo dia em que são divulgadas gravações de conversas telefônica de Lula com a presidente Dilma e outras figuras do cenário governamental e político nacional que deixam indícios de um conluio para garantir foro privilegiado ao ex-presidente. Nas conversas, Lula  ataca as instituições públicas e seus dirigentes e representantes. Finalmente, 17 de março marca a posse de Lula como ministro de Dilma.

Todo este resumido relato de fatos, apenas serve como roteiro e subsídios para que o (e)leitor faça suas leituras. Sem dúvida, março é um mês emblemático para o Brasil com episódios que a história nacional registra sem orgulho. Além do diálogo de Lula e Dilma, a conversa com o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, é digna de maior atenção. Além de defenestrar a presidente Dilma, com concordância sorridente de Lula, Paes deixa claro, nas entrelinhas, que o sítio de Atibaia e o ‘pedalinho’, foram aquisições de “m…” e “vagabundo” da “alma de pobre” que Lula não teria perdido… Cada qual faça sua leitura, tire sua conclusão e respeite a opinião alheia, lembra que, para todos, o “choro é livre”…

 

Particularmente, lamentei o discurso de Lula depois da prisão… Como também lamento a falta de formação e informação, além da coerência política e verdadeiro espírito democrático nos debates e embates que se viu na sexta-feira e seguem hoje pelas ruas e redes sociais… Pelo que se observa cada grupo se reveste da mesma radicalidade que se condena no Estado Islâmico… Sim, exatamente isso. Ou você acha que quando alguém xinga, grita e parte para a agressão física para atacar quem não pensa como ele está agindo com melhor propósito? O Brasil continua deixando que se escrevam páginas negras em sua história… O poder pelo poder, o dinheiro acima de tudo e a intolerância a tudo e a todos como guia… Deus tenha misericórdia desta nação!

confronto

Editorial deste sábado (05/03/16) da Gazeta do Paraná

“Sexta-feira negra”

“As informações repassadas pelo senador Delcídio do Amaral ao Ministério Público, bem como as operações de busca e apreensão de documentos nas casas de Luiz Inácio da Silva e do filho Fábio com autorização para condução coercitiva do ex-presidente para prestar o depoimento que vinha tentando evitar, não deveriam surpreender ninguém. Isto se o Brasil estivesse acostumado a conviver com o preceito de que a lei é igual para todos. O caráter explosivo das ações decorre justamente da falta do hábito em ver cada instituição e/ou corporação cumprir o seu dever sem olhar a quem. Na realidade, se algo de estranho havia no ar era a demora de as investigações chegarem aonde chegaram. Esquisito era o ex-presidente transitar com tanta liberdade e falta de cerimônia pelas veredas do lodaçal que o cerca desde que o braço direito de seus braços direito e esquerdo foi pego extorquindo um bicheiro. Surgiam ali, ainda no primeiro ano do primeiro mandato de Lula da Silva – nas figuras de Waldomiro Diniz e de seu chefe imediato na Casa Civil, José Dirceu -, os personagens iniciais de uma trama (um drama?) que caminha para um desfecho. Os investigadores chegaram ao topo da cadeia que alimentou as fontes de financiamento do PT e, ao que vem sendo revelado, de enriquecimento de detentores do poder.” O texto inicial é parte do artigo da colunista Dora kramer (Estadão) e resume com propriedade a ‘sexta-feira negra’ de Lula e para própria história do Brasil.

A intolerância ao debate público e a radicalização (de qualquer lado) são atitudes sempre condenáveis e que não contribuem nada em nada. Que há um contexto político e uma disputa de poder nada velada em toda esta celeuma é inquestionável, porém, é precisar ponderar e rebuscar a coerência. Os delatores da Lava Jato como Yussef, Cerveró e agora Delcídio do Amaral não são heróis, são apenas “criminosos” que, pegos com a mão no jarro, se tornaram delatores para ‘amenizar’ seus castigos e perdas. Mas, Lula não é mártir, nem Dilma vítima como se tenta fazer. “Guerreiro” é o povo brasileiro que é roubada em seus direitos e ainda paga toda a conta de toda essa lambança. “Vítimas” são as pessoas que morrem sem atendimento digno na saúde, sem ter oportunidade real e igualitária.

Lula, Dilma, FHC, Sarney, Collor, Itamar e o “Zé das Couves” não estão acima da lei, acima do bem e do mal. Devem ser tratados com todos os direitos e rigores que a lei concede e estabelece e, se fizeram o que não deviam, restituir o prejuízo que causaram e pagar sua dívida para com a sociedade nos termos da lei.

As manifestações pró e contra Lula que se viu ontem e que se teme fique ainda mais violentas e insanas (de ambas as partes) é o termômetro da falta de formação, informação, tolerância e coerência, cujo exemplo vem cima e ‘arrebenta’ na parte de baixo da cadeia social. O Brasil e sua gente não merecia, não merece isso… Vergonha para todos, sem exceção!

Será que você está mesmo rodeado de amigos? Verdadeiros amigos? Então compare: O sítio do Lula é de amigos. O apartamento do filho de Lula é de amigo. A reforma do sítio que o Lula usa mas diz que não é dele foi paga por amigos. O jatinho que o Lula usa é de amigos. A obra no tríplex que chefe e a madame juram que não é deles, mas que eles usam, foi bancada por amigos. O Instituto Lula é mantido por amigos! Bom… E você? O que você em e usa que seus amigos de deram ou “autorizaram” a usar como se fosse seu?

De uma conferida no primeiro editorial da Gazeta do Paraná do mês de março e responda se é óbvio ou não..

 

 LULA VOTA EM SÃO BERNARDOO óbvio…

O PT e o governo afirmam que a população está sendo ‘manipulada’ para atacar o “ícone” petista, o Lula. Ontem, o Instituto Datafolha divulgou pesquisa em que a maioria dos brasileiros acredita que Lula foi favorecido por empreiteiras em obras feitas em dois imóveis ligados ao ex-presidente e familiares. Depois disso, a cúpula petista reagiu atacando a mídia e do Ministério Público. E aí, o colunista Valdo Cruz escreveu: “Bem, primeiro, de fato nem o tríplex do Guarujá nem o sítio em Atibaia estão no nome do petista. Agora, uma perguntinha: por que Lula demorou tanto em dar explicações? Elas passaram a ser concedidas apenas depois que vieram a público fatos ligando o ex-presidente e empreiteiras a obras e serviços executados tanto no sítio como no tríplex. A sensação é de que, não fossem as investigações, tudo ficaria escondido. No mínimo, são presentinhos e agrados dados ou que seriam dados a um ex-presidente por empresas que lucraram em seu governo. Algo que o velho PT jamais aceitaria, mas o novo faz que não vê. E que sonha, para afastar este pesadelo do caminho, com o mundo mágico criado pelo marqueteiro João Santana na campanha de 2014.”

É óbvio que tentam passar um atestado de “burrice” na população. E aí, o Cruz foi feliz ao dizer que “os petistas parecem não lembrar que, passada a eleição, a ilusão inventada pelo marqueteiro desmanchou-se no ar porque seu próprio governo havia quebrado o Tesouro e destruído a política econômica. Mesmo assim o PT faz festa de aniversário num momento que demanda penitência e pressiona por mais uma aventura populista na economia para salvar sua própria pele. Por falar no marqueteiro, preso em Curitiba, ele levou R$ 88,9 milhões para satanizar adversários e criar um Brasil ilusório. A PF suspeita que foi mais, e no caixa dois. O governo nega e diz que a conta salgada é prova de que tudo foi legal.

Mas, caro (e)leitor, tem parcela da população que, ou é burra, ou é ignorante. Prova disso foi o acidente registrado no fim de semana perímetro na BR-467, na região do Jardim Gramado, onde uma pessoa morreu por estar no lugar errado na hora que tinha gente fazendo e apoio coisa errada: um racha (que ainda está sendo investigado). Mas, se há pessoas não pensam na própria segurança e bem-estar, por que se deve imaginar que há gente que acredita que a Lava Jato é armação e todas as acusações contra Lula, Dilma e seus asseclas são mentirosas!