A discrepância dos salários do HUOP (Hospital Universitário do Oeste do Paraná) continua gerando muita reclamação. Nesta quinta-feira, mais uma ‘enxurrada’ de reclamações e novas denúncias sobre ‘supersalários’ e falta de critérios tanto no HUOP quanto na própria Unioeste, chegaram até à Gazeta do Paraná. E não é tudo “culpa” do tal PDA (Plano de Desenvolvimento dos Agentes Universitários).. Não perca a edição desta sexta-feira…  Enquanto isso, dê uma conferida no editorial de hoje da Gazeta:

 

O salário nosso de todo mês!

Material publicado ontem e que foi manchete desta Gazeta do Paraná, trouxe à tona situação dos salários pagos a servidores que trabalham no HUOP (Hospital Universitário do Oeste do Paraná). Como bem explicou a reportagem produzida pela jornalista Bruna da Luz, a questão está na discrepância entre os valores pagos aos servidores lotados na Seti (Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior) e na Sesau (Secretaria de Estado da Saúde).

Enquanto uma zeladora e um motorista da Seti chegam a ter salários de até R$ 6 mil, enfermeiros com R$ 17 mil e técnicos em enfermagem entre R$ 7 mil e R4 8 mil mensais, um técnico em enfermagem pela Sesau recebe R$ 2,2 mil. E aí? O que se deve fazer? Reduzir o salário de quem ganha mais ou elevar o daquele que ganha menos?

A discussão ainda vai longe. Acontece que na pela Seti, os servidores são subordinados à Unioeste e um PDA (Plano de Desenvolvimento dos Agentes Universitários) da Unioeste que “chutou” os salários para cima, aliás, bem para cima. De acordo com a matéria da Gazeta, a presidente do Sinteoeste (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino Superior do Oeste), Francis Mary Guimarães Nogueira, explicou além do PDA, uma reestruturação no Plano de Carreira, Cargos e Salários, promoveu um bom avanço na questão salarial dos servidores. “A ampliação não é só dos 55%, ganhamos uma tabela que, para os servidores de apoio, por exemplo, significou entre 25% e 35% de aumento. Foram conquistas na base de sangue, suor e lágrimas”.

Maravilha! “Sangue, suor e lágrimas” à parte, o fato é que tanto o dinheiro do salário da Sesau, quanto da Seti, saem do mesmo “caixa”: o bolso do contribuinte. E aí, é preciso que alguns critérios mais jutos e corretos sejam estabelecidos e aplicados. Parabéns ao Sinteoeste que logrou êxito em suas lutas e bandeiras. Porém, o PDA cobra uma série de ações para que os salários sejam elevados.  O PDA se propõe a “estimular e favorecer o desenvolvimento das atividades de pesquisa, de extensão e de gestão universitária, promovendo a sinergia entre a atividade fim e atividade meio”. Muito bem! E aí todos os “supersalários” estão dentro desta proposta? Não é demérito para ninguém exercer as funções de zelador e motorista, mas, nestas funções há alguma proposta de pesquisa, extensão e gestão universitária? Todos os servidores tem o princípio de isonomia respeitados?

O contribuinte que paga toda essa conta precisa ser informado sobre o que está acontecendo, principalmente porque o HUOP se recente da “falta de funcionários” para ampliar e melhorar o serviços à população. Porém, “há falta de recursos” para contratações… E aí? Como fica?

 

O Brasil, por conseguinte o Paraná e Cascavel produzem pérolas dignas de registro. Amanhã, a Gazeta do Paraná traz uma reportagem revoltante mostrando que ser servidor público, em alguns casos e cargos é um baita negócio…

 

Editorial desta terça-feira, 24-9-2013

 

Aqui é o melhor lugar do mundo!

O Brasil, sem dúvida é o melhor lugar do mundo! Por quê? Para quem? Claro que o título é uma ironia, afinal, o Brasil não passa por um bom momento em sua economia, a inflação está voltando sorrateiramente e o poder de compra do trabalhador, apesar do discurso oficial, está caindo paulatinamente. Mas, para o governo, aqui, sem dúvida é o paraíso.

Somente até agosto deste ano, o governo abriu mão de R$ 51 bilhões em impostos por conta dos programas de isenção fiscal, um crescimento de quase 72% frente ao mesmo período do ano passado, quando a perda com desonerações foi de R$ 29,7 bilhões. Mesmo assim, a arrecadação federal somou R$ 84 bilhões em agosto, registrando aumento alta de 2,7% em relação a agosto de 2012, na comparação que exclui a inflação do período. Trata-se de um recorde histórico para o mês, informou ontem a Receita Federal. Com isso, o valor recolhido em impostos no ano chegou a R$ 722,2 bilhões, aumento real de 0,79%.

E a Receita disse que o crescimento da arrecadação é resultado do aumento da lucratividade das empresas, que impulsionou a arrecadação de Imposto de Renda e de CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido). A explicação é que as companhias do país pagam esses tributos com base em estimativas mensais de lucro. De janeiro a agosto, a arrecadação decorrente dessas estimativas subiu 18,8% em relação ao mesmo período do ano passado. “Esse crescimento é forte e mostra um cenário de recuperação da economia”, diz Luiz Fernando Nunes, secretário-adjunto da Receita Federal.

Mas, as empresas têm reclamado, e muito, da elevada carga tributária que são obrigadas a suportar. Pra se ter noção do peso desta carga, mesmo o governo abrindo mão, ou seja, deixou de receber R$ 51 bilhões, mesmo assim, bateu novo recorde de arrecadação… É ou não é o melhor do mundo para um governo? Porém, o retorno disso à população é que é o problema. Todo brasileiro paga imposto de tudo e para tudo. Mas, quando precisa do “socorro do Estado”, é um “Deus no acuda”. Não é segredo para ninguém que saúde, educação, segurança e infraestrutura urbana, no país da Copa e da Olimpíada deixam, e muito, a desejar…

 

E os vereadores de Cascavel, mais uma vez, parecem querer patrocinar uma nova discussão sobre o funcionamento dos supermercados e o comércio nos domingos. O tema puxado pelo presidente da Casa, Marcio Pacheco, quando da discussão da homenagem que o Legislativo fará ao Arcebispo Metropolitano de Cascavel, Dom Mauro Aparecido dos Santos, fará ao religioso com o Título de Cidadão Honorário de Cascavel.

Embora seja assunto batido e vencido, a abertura do comércio aos domingos é “página virada” em todo o Brasil, dependendo da livre iniciativa e da negociação entre patrões e empregados. Nos lugares onde lei municipal tentou fechar o comércio aos domingos, ações na Justiça garantem a abertura. É esperar e ver se a discussão vai mesmo voltar e como acontecerá! Essa eu quero ver!

Quem tenta acompanhar a sessão da Câmara de Cascavel pela internet, hoje, ficou profundamente decepcionado ou irritado. Acontece que a webrádio da Câmara não estava acessível… E a explicação é que estava tudo funcionando, mas com a capacidade de links esgotada… Ou Cascavel inteira estava conectada na sessão ou a capacidade disponibilizada pela Câmara é insignificante… Lamentável!