QUINTAL. AFTER. ERA UMA VEZ…

QUINTAL. AFTER. ERA UMA VEZ…

E eu, que achava que conhecia tudo em Cascavel, fui surpreendido. Ah tá, você? Não sabia o que era after? Calma, respondo: after eu sabia e tava enjoado. Eu não sabia o que era o after no Quintal.
Tudo começou faz algum tempo, num lugar rústico, quase na Avenida das Torres indo pra Fag. Fui convidado, por um DJ e por coincidência sócio do Quintal, a conhecer a lugar. Outra vez: ah tá Junior, logo você que não gostava de musica eletrônica? Pois é senhores. Eu realmente dizia que não gostava. Em verdade, eu NAO CONHECIA!!!! Parece tudo a mesma coisa – pensava eu e minha ignorância!!!
Conheci muita coisa. Conheci, em verdade, A BOA MÚSICA ELETRÔNICA!!! Com ela vieram pessoas fantásticas: Rodrigo Lopes, Greg, Jehan, Charlinho e por ultimo ROGÉRIO ANIMAL!!!
Além da música, uma verdadeira comunidade. AMIGOS DE VERDADE. NÃO AQUELA TURMA DE CAMAROTE QUE EU CITEI SEMANA PASSADA – FIZ VERDADEIROS AMIGOS.
Mas qual a razão desse texto? Simples: pra você que acha que conhece tudo é que música eletrônica e tudo a mesma coisa um convite: VENHA CONHECER O QUINTAL. LÁ, SÓ A TRISTEZA NÃO ENTRA. De uma passada e depois fique a vontade para comentar!!!
***Em tempo: sou fã mas não patrocinado pelo lugar. Este post é, pois, grátis!!!!

Padrão

Estudem. Conhecimento é Eterno. Chega de Caipira “Rei de Camarote”!!!!

Tenho acompanhado a galera jovem da cidade. Sim, acreditem, eu também um dia fui jovem. Tive meus 21 anos. Mas o mundo mudou. E mudou muito. Hoje, em tempos de Instagram, essa moçada passa mais tempo postando besteira do que dando risada com os amigos. Jovens ricos fotografam até mesmo o comprovante de quanto gastaram na balada. Fotografam e o mais dramático: POSTAM!!! Alguns, claro, os mais imbecis, fazem campeonato de quem pede mais Champagne. São os “Reis do Camarote” do interior do Paraná.

Vestem-se sempre com roupas caras, mas de extremo mau gosto. Aliás, esse é um dos problema dessa turma – eles não sabem nem mesmo que roupa vestir. Eles não tem sequer gosto. Copiam ou tentam copiar Joao Paulo Diniz. A diferença é que João Paulo é educado. Estudou. Sabe das coisas. Nasceu rico e para citar apenas um exemplo, teve um affair com Gisele Bunchem e acreditem, a modelo mais famosa do mundo era a coadjuvante do casal.

Como anotou Nizan Guanaes em artigo publicado na Folha ano passado:

O que os americanos e ingleses mais sofisticados têm em comum? Cultura.
Livros e dinheiro são uma mistura perfeita para elegância, savoir faire e bom gosto.
Infelizmente o Brasil, que copia tanta coisa destes dois grandes países, não aprendeu a copiar essa ainda. A pobreza do rapaz rico dos camarotes, estampada na capa da Vejinha, mostra uma classe alta inculta que beira as raias do constrangimento num país cheio de desigualdades. 
Ninguém que tenha aberto um livro será capaz de, num mundo desigual como o nosso, abrir champanhes magnum a rufar de tambores e piscar de luzes.
Dinheiro sem livro faz garotos ruidosos e meninas caladas. Gente mal vestida com as melhores grifes. E que não sabe se comportar no mundo. 
Gente caipira.
A começar, não sabem falar inglês, inaceitável num mundo global. O mais lamentável ainda é que falam mal português também.

Gente caipira dá em árvore por aqui. Anotem, gente pessoa simples é uma coisa; deslumbrados sem educação é outra. Falta o básico. Cultura é tudo que os jovens, ou a maioria dos “reis de camarote”, de hoje não tem. Não estou a afirmar que é preciso ser um profundo conhecedor de filosofia ou entender Sheakspare, mas 3 gibis bastariam para evitar o vexame. “Agente vai sair” (e não falo do 007). “Precizo”, TOP, entre milhares de expressões utilizadas nas mídias sociais que não fazem o menor sentido e para piorar, os erros de português são assustadores. A ignorância passou do limite. A maioria dos “Reis do Camarote” são semi-analfabetos. Mas fotógrafos profissionais.

Quero deixar claro que não tenho rigorosamente nada contra “reis de camarote”. Não é o valor da conta que importa, mas sim o modo como você trata um garçom, um segurança ou qualquer pessoa que esteja apenas trabalhando. Já passamos do tempo em que diziam os mais imbecis: “Você sabe com quem está falando?”

Estudem. Conhecimento é a única coisa que ninguém jamais poderá te roubar. Dinheiro, liberdade e camarotes, eu sei bem, acabam e rápido. Viajar é a melhor forma de conhecer o mundo, mas antes é preciso ao menos saber em que continente ou país você está. É o mínimo…

Padrão

Resumo das Eleições

Fim de papo. Ao menos em Cascavel a fatura foi liquidada em turno único. Há pouco para dizer – os números quase encerram o debate.
Maior Vencedor:
PSDB – os tucanos, com especial ênfase em São Paulo, saíram na frente. Geraldo Alckmin com o massacre do João Dória em turno único agigantou-se. Deveria ser o indicado para disputar a Presidência em 2018.
Maior Perdedor:
PT – foi fulminado nessas eleições. Encolheu mais de 60%. Salvo engano, levou apenas uma capital e foi derrotado em quase todo interior paulista – reduto tradicional petista desde a fundação do partido.

Mas e aqui?

Paranhos levou, mas terá que fazer milagre para acomodar todos os apoiadores. E notem, os principais nomes querem um pouco mais do que obras e cargos. Querem, basta verificar de quem estamos falando, mandar na cidade. Dar ordens ao Prefeito eleito. Leonaldo pode romper com o grupo, mas será massacrado na mídia. Já da pra imaginar o que dirá o Cantini por meio da CBN quando tiver início o troco pela suposta traição.
Se o Paranhos resolver obedecer a essa moçada, também se complica, pois não há lugar nem grana para tudo que eles querem. Se correr o bicho pega e se ficar o bicho come. Meu palpite? Paranhos rompe com o grupo nos 6 primeiros meses de governo.

Marcos Vinícius não emplacou. Segue um ninguém para a maioria dos cascavelenses. Até por isso a transferência de votos que poderia ocorrer não se verificou. Um alguém consolidado transfere prestígio eleitoral para outro alguém iniciante. Mas este mesmo alguém não terá êxito nessa missão se tentar fazer isso com um ninguém. A indicação e o apoio são fatores importantes que podem fazer a diferença, mas o candidato apoiado precisa fazer o mínimo. Com todo respeito, não fez nem isso.
Aderbal sai maior mesmo fazendo inexpressiva votação. Pagou um preço altíssimo pelo que o PT fez. Mostrou que tem preparo e que conhece a cidade. Não apresentou propostas inexequíveis e nos debates foi disparado o melhor. Mas é do PT. E do PT a população não quer mais saber.

Hélio Laurindo é um empresário bem sucedido, mas um desastre como candidato. Suas propostas – ao menos algumas delas – beiravam o ridículo. Nos debates não conseguiu responder nenhuma pergunta no tempo estabelecido. Disse, num dos encontros, que vai melhorar Cascavel pois: “seus interesses vão de encontro aos interesses da população”. STOP Hélio, por favor.

Walter Parcianello foi bem, mas segue sendo irmão do Frangão. Se ao invés de Walter fosse possível registrar a candidatura como “irmão do Frangão da Uopeccan” certamente faria mais votos.

Marcio Pacheco surpreendeu. Fez mais votos do que eu esperava. Não inovou em nenhuma proposta. Nada. Mostrou uma Cascavel feia e ruim. Teve expressiva votação porque a população que não gostava do Paranhos ficou sem opção. Juliano Murbach ajudou. Sua reputação e sua postura sempre ética somaram pontos a favor da candidatura do Xerife da PF.

Professor Ivanildo fez seu papel. Historicamente é assim. Ele e seu partido fazem parte do processo. Servem somente para estatística.

E os vereadores? Bom, acho que se continuar assim a Câmara deve se chamar “Templo de Vereadores”. Os evangélicos pegaram valendo nas campanhas e provaram que podem decidir uma eleição.
No mais, tomara que Pintinhos e outros tantos que já concorrem pela milésima vez desistam. Eleição é coisa seria. Não há espaço para amadorismo. Se o Brasil não é para amadores como anotou Tom Jobim, imagine a política…
Ficarei na torcida porque gosto daqui, mas será quase um milagre se o Gaeco não invadir o Paço ano que vem. Tomara que eu esteja errado. Tomara mesmo…

Padrão