O Fim do Carteiraço. Estamos Evoluindo Finalmente!!!

Já faz algum tempo, Celso Nascimento, colunista político mais famoso de Curitiba, foi parado por policiais. Celso, salvo engano, estava em lugar suspeito, com o farol desligado, numa ruela qualquer na contramão. Ao ser abordado (claro), de imediato lançou para os policiais: “Você sabe quem eu sou? Você sabe com quem está falando?” Sim, os policiais sabiam. E mesmo assim a abordagem prosseguiu normalmente.

Continuar lendo

Padrão

Notícias do Planalto. Ruínas de um Governo

Havia prometido não tratar do tema relativo ao impeachment da Dilma. No entanto, diante do que li e ouvi nesses últimos dias, direi algumas poucas palavras sobre o assunto e ponto final. Assunto encerrado ao menos para mim claro.

A promessa de não tratar do tema deriva de algumas premissas que, ao longo do tempo, verifiquei verdadeiras. A primeira delas é: 1) não importa o que você diga, um PETISTA dirá que é mentira (raciocínio primário e que tem origem no dito: “cada um acredita no que quer acreditar”). Faz tempo que fatos são ignorados. Para quem defende a Dilma, tampouco vale outro dito: “contra fatos não há argumentos”. Há sim. Por mais inverossímeis e/ou imbecis que eles sejam (e são), fatos, para os petistas, são sempre desmentidos por frágeis argumentos (o sítio e o tríplex não são do Lula, por exemplo).

A segunda razão está no fato de que, depois de esgotado o debate e provado que Dilma é um desastre, existe sempre um cidadão que dirá: “mas ela não sabia de nada” ou: “ela não roubou. Não pegou um centavo pra ela dessa roubalheira”. Senhores: não é preciso roubar para cometer crime. Basta que se DEIXE ROUBAR.

Para os que acreditam que Dilma não roubou nem deixou roubar; que era Presidente do Conselho do Petrobrás e não sabia do desastre de Pasadena; que não assinou os decretos; que não houve pedaladas; que a grana pega do Banco do Brasil para bancar a palhaçada petista e devolvida depois não configura operação de crédito (empréstimo), duas perguntas: EM QUE MUNDO VOCÊS VIVEM? CÁ ENTRE NÓS, VOCÊS REALMENTE ACREDITAM QUE ELES SÃO INOCENTES?

No entanto, acho que saímos maiores de tudo isso. Aos poucos e com muito sofrimento, finalmente estamos entendendo que só existe uma maneira de prosperarmos. Trata-se de compreender que é preciso respeito às leis e claro, ter medo das consequências no caso de descumprimento. Obrigado Dr. Sérgio Moro e boa sorte Presidente Michel Temer!!!!

Padrão

Voltamos à política! Começando pelo pré-candidato a prefeito e deputado Paranhos. Por que eu não voto nele!

 Para não perder tempo, irei escrever, ao menos alguns artigos, somente de coisas realmente relevantes. Inicio pelos feitos do pré-candidato a prefeito Leonaldo Paranhos.

Prometi que iria escrever pouco ou quase nada relativo ao cenário político de Cascavel, mas diante do que tenho lido, não posso mais fugir desse tema.

Por que diabos eu não voto no Paranhos? A campanha sequer começou. Eu poderia mudar de ideia. Não, ao menos quanto ao Paranhos não mesmo. E por quê isso? Explico: Leonaldo Paranhos tem o mais grave dos defeitos de um cidadão; Paranhos é mentiroso. Desde sua primeira eleição afirma que, graças a ele: 1) a fila do SUS diminuiu; 2) muitos narcotraficantes foram presos e 3) melhorou muito a telefonia celular no estado.

A fila do SUS pode até ter reduzido e alguns traficantes, realmente, podem ter sido efetivamente presos. O problema é que esses fatos não tiveram qualquer correlação com alguma lei ou ato dele (Paranhos). Já no que toca à telefonia celular, aqui não tem jeito, nosso ilustre deputado não fez rigorosamente nada (salvo alguns discursos em que reverberava seu mantra genérico: “não resolvemos tudo, mas as coisas estão melhorando…” Quais? Quando? De que operadora?. O direito do usuário voltava, novamente graças ao Super-Paranhos, a ser respeitado.

Não no Paraná. Não, que eu saiba, no Brasil. O que é isso então? Simples e diretamente uma grande MENTIRA!

Mas até aqui não estou dizendo nenhuma novidade. A razão deste artigo é outra. Super-Paranhos agora inovou, ou melhor, inventou outras mentiras – Leonaldo passou a comemorar conquistas de outros deputados como se suas fossem. E faz, destas conquistas, uma festa – é levar ao extremo o conceito de cara-de-pau. É como soprar a vela no lugar do aniversariante.

O caso mais recente é o da grana para a construção do Hospital Municipal em Cascavel. Como acompanhei de perto a luta para conseguir a liberação dessa verba, sei quem foram os responsáveis por essa conquista. É claro que o que importa é o Hospital e não quem conseguiu o dinheiro para sua realização, mas Leonaldo Paranhos extrapola na arte do engodo. Poucas vezes vi um político tão habilidoso na arte de enganar. Trata-se de técnica de marketing eleitoral – similar ao que faz o Frangão, mas com uma diferença: Frangão, de fato, representa a UOPECCAN. Frangão, pois, pode comemorar uma conquista em prol do Hospital do Câncer em Cascavel. Já Leonaldo Paranhos não. Ele e o Hospital Municipal não têm qualquer relação um com o outro. Se Paranhos não fosse deputado, o Hospital sairia exatamente da mesma forma.

Em seu informativo consta: “Deputado destaca a liberação de R$ 12 milhões para construção do Hospital de Cascavel”. Noutro trecho, também em destaque, está: “É uma conquista para Cascavel”.

Dei uma olhada nas conquistas do Leonaldo. Em 2016 nada.

Mas calma senhores, nem tudo está perdido.

Em 2015, segundo está no Projeto de Lei n. 731/2015, Super-Paranhos pretende inserir no calendário oficial de eventos do Estado do Paraná a “Festa do Leitão”, realizada anualmente no segundo domingo do mês de setembro, no Município de Quatro Pontes. Tomara que o Projeto emplaque. Gosto muito de Leitão. Obrigado Deputado. Já com relação ao Hospital Municipal, ficaria mais bonito se Vossa Excelência dissesse: “Meu reconhecimento a todos que VERDADEIRAMENTE participaram desta conquista”. Garanto que essas turma até comer um leitão em Quatro Pontes iria…

Padrão

Whatsapp!!! Passaram da conta senhores!!!

Por onde tenho passado, o impeachment faz parte da pauta. Eu confesso, pela pouca experiência que tenho, o cenário é dramático. E por quê? Porque com a eventual saída de Dilma não há qualquer garantia de que as coisas mudem. Afastar o PT do Poder não resolve. Seria preciso mais.

Falarei hoje de um fenômeno – os tais “grupos” de Whatsapp. De início, gostaria de agradecer a quem me protege disso. Não participo, eu garanto, de nenhum destes grupos. É verdade que sou um tanto quanto esquisito e antissocial, mas mal-educado jamais. Ninguém me verá num restaurante mostrando um vídeo para um amigo ou digitando nesse Whats. Resolvo depois e se for realmente urgente, ligo. Sim, acreditem, pelo celular é também possível efetuar e receber chamadas. Assim como o quase extinto telefone fixo, estes aparelhos são capazes de fazer uma ligação.

Quando sair com um amigo com o objetivo de dar risada ou num destes jantares chatos de casais, tente ao menos o mínimo de diálogo. E claro, salvo se você trabalhar no Discovery Channel, no Animal Planet ou estiver participando do Masterchef, não fotografe tudo que vê. A memória (não a do celular, claro),  localizada numa coisa muito mais fantástica chamada cérebro é capaz de armazenar muita coisa.

Já vi grupo da família (acho, não tenho certeza, que a minha tem um); grupo de amigos que simpatizam com o rato-canguru; grupo de churrasco da quarta; grupo de degustadores de vinho da quinta; grupo de pornografia explícita, enfim, grupos não faltam. E de qualquer espécie. Grupo dos que viajam nas terças para Palotina, grupo de quem come sushi e por fim, até grupo de torcedores do falecido Palmeiras!!!

Longe de mim tentar frear os avanços da tecnologia. Jamais pretendi isso. Whatsapp pode ser muito útil, mas assim como a bebida: “usem com moderação”. O abuso é falta de educação.

Padrão