DIREITOS HUMANOS? ISSO É COISA PARA “HUMANOS DIREITOS”!!!

DIREITOS HUMANOS? ISSO É COISA PARA “HUMANOS DIREITOS”!!!

Faz algum tempo assisti no Jornal Nacional a reconstituição do caso do menino João Hélio – um menino de 6 (seis) anos de idade. Para resumir e poupar meu estômago dos detalhes, João Hélio estava com sua mãe que dirigia na Zona Norte do Rio de Janeiro. Parou no semáforo e logo após, surgiram 3 (três) homens que pretendiam roubar o veículo.

Seria mais um caso de roubo ocorrido no Rio de Janeiro não fosse o que fizeram os ladrões. Depois de tomar posse do veículo e avisados que foram que João Hélio estava preso ao cinto de segurança, os bandidos não deram bola. Arrancaram com o carro e João Hélio, UM MENINO DE 6 ANOS, foi arrastado durante mais de 7 quilômetros preso ao cinto, PARA FORA DO CARRO – OU SEJA, FOI ARRASTADO PELO ASFALTO POR 70 QUADRAS!!! O final do caso é intuitivo.

Mas qual a razão da lembrança dessa tragédia? A moçada dos “direitos humanos”. Logo depois desse filme de terror em que poupei os leitores dos detalhes, surgiu uma moça com uma camiseta dizendo: “human rights” em letras garrafais. E o que dizia a ilustre defensora dos direitos humanos? Que uma comissão havia sido constituída para verificar as condições do presídio para onde foram mandados os assaltantes; os assassinos do menino João Hélio!!!

Prefiro, por ser impublicável, não dizer o que penso dessa “comissão”.

Como advogado, sei que todos têm garantido pela Constituição, direito à defesa. Processualmente isso é verdade. Moralmente NÃO. E é justamente da parte moral que quero tratar. Será que essa comissão foi visitar a mãe de João Hélio logo depois dessa barbárie? Acho que não. Depois fui checar essa informação e a resposta é: CLARO QUE NÃO.

E lembrei agora dos direitos humanos porque, logo após os ônibus serem queimados aqui em Cascavel, li um artigo onde – em nome dos direitos humanos – alguém se mostrava preocupado com a situação desses incendiários. SIM, ACREDITEM, TINHA GENTE PREOCUPADA COM O QUE A POLÍCIA IRIA FAZER COM ESSA GALERA!!! Mas e com todos os demais afetados por esse ato covarde e imbecil? Falo de gente que não conseguiu ir ao trabalho. De pessoas de bem e que tiveram que ficar em casa, com medo, sem saber o que fazer no dia seguinte, e esses? Claro, essa turma tampouco, assim como a mãe de João Hélio, foi visitada por alguém em nome dos tais “direitos humanos”.

Senhores, quem faz o que fizeram com o menino João Hélio não merece preocupação. Quem, numa reação covarde, impede que gente de bem consiga trabalhar, não merece qualquer proteção. É como eu disse ao início, DIREITOS HUMANOS PODEM SER INVOCADOS POR HUMANOS DIREITOS – JAMAIS POR ASSASSINOS OU INCENDIÁRIOS. Tenho dúvidas até mesmo se é possível chamar essa gente de ser humano. Acho que não o são – ou, não poderiam ser. É a única explicação possível.

Padrão

ERA UMA VEZ UM BRASIL…

Hoje, já medicado e melhor do resfriado do qual fui vítima, sentei agora à noite para escrever. Minha vida, aliás, desde que elegi a advocacia como ofício, tem sido assim – escrever, escrever e debater. O problema é que me faltava inspiração. Não gosto de escrever sobre coisas ruins. Meu drama começa quando não é possível mais ignorar essas tais coisas ruins e das quais sempre tento escapar ou fazer de conta que “não é comigo”. É sim. E muito.

Não dá mais pra fazer de conta que eu não li ou simplesmente ignorar os absurdos descobertos pela “Lava Jato”. Não dá mais – até mesmo pra mim que pensei já ter visto de tudo em se tratando de sacanagem e dinheiro público – pra achar normal a maior construtora do país ter um “departamento” para tratar especificamente do pagamento de propina. Não dá mais – e longe de mim fazer discurso moralista – pra admitir que não há flagrante desvio de finalidade na nomeação de Lula para a chefia da Casa Civil.

Meu filho tem hoje treze anos. Não dá mais para assistir no Jornal Nacional mais uma criança, no Rio de Janeiro que, ao contrário do que diz a canção, não continua tão lindo assim, ser vítima de bala perdida.

E para ficar na realidade daqui do nosso lado, não dá mais para se sentir com medo porque eu não sei se irão seguir a incendiar ônibus em protesto – num ato que, na minha modesta opinião, é mais burrice do que uma tentativa de dizer o que quer que seja – quem incendeia não protesta. Atira no pé.

Enfim, não escrevi aqui nenhuma novidade. Hoje, infelizmente, não dei risada. Termino essa singela resenha sem saber exatamente o que esperar amanhã. Tomara que tudo isso sirva para que, quando tudo passar e a ordem for restabelecida, eu me lembre dessas palavras com o orgulho – que hoje confesso, não tenho mais – de ser brasileiro.

Padrão

O Aniversário. A hora do nascimento e o Zodíaco!

Escrevo o primeiro texto na data do meu aniversário. E já antecipo, foi mera coincidência. Não acredito em numerologia, horóscopo, mapa astral, “Mães Diná” ou cartomantes. Nessa parte, não puxei para a minha mãe – se disserem que em Borrazópolis existe um “adivinhador”, certamente ela lá estará.

Certa vez eu estava com problemas e uma amiga perguntou que dia e hora exata eu tinha nascido. De cara já pensei: lá vem aquela bobagem de astros etc. Não deu outra. De posse desses relevantes dados, conseguiu fazer previsões que apavorariam até o Padre Quevedo. E quais delas se realizaram? Nenhuma. E é isso que acontece com milhares destes picaretas. O drama começa se um destes tantos chutes por acaso vier a acontecer.

Continuar lendo

Padrão