CGN

Quando o crime compensa

Quando o crime compensa

Advogados especialistas no assunto consideram que, se comparado às condições negociadas pela Odebrecht, o acordo fechado pelos donos da JBS para fazerem a mãe de todas as delações foi excelente.

Por exemplo, enquanto Marcelo Odebrecht terá de cumprir ao todo quase dez anos de detenção, entre cadeia e prisão domiciliar, os irmãos Joesley e Wesley Batista terão imunidade total contra qualquer acusação vinculada ao caso, beneficiados pelo fato de terem tomado a dianteira da colaboração, reforçada por uma entrega de provas de altíssima octanagem.

Ou seja, além de não serem sequer denunciados criminalmente pelo Ministério Público Federal, eles não correm o risco de virem a ser presos e nem precisarão usar tornozeleira eletrônica, como ocorre com executivos de outras empresas envolvidas na Lava Jato.

Quanto à multa que combinaram pagar, no valor de 225 milhões de reais, os manos arrumaram um jeito de se ressarcir da despesa, e com sobras, ao ordenarem à JBS a compra de grandes quantidades de dólares no final do pregão de quarta-feira (17), horas antes de estourar o escândalo envolvendo a dupla com o presidente Michel Temer, que fez a cotação da moeda explodir no dia seguinte.

A suspeita operação, que está sendo investigada pela Comissão de Valores Mobiliários, teria rendido à empresa um lucro de 1 bilhão de dólares.

Somando tudo isso, pode-se dizer que, faltando ainda mais de seis meses para a chegada do Papai Noel, os Batista, que agora estão residindo na icônica Quinta Avenida de Nova York, ganharam um belíssimo presente antecipado de Natal.

Deixe um comentário